Pesquisar
Close this search box.

Entendendo Elon Musk

Em todas as áreas do empreendimento humano há pessoas que ganham a vida fazendo as coisas e aquelas que ganham a vida criticando o que as outras fazem. Críticos de cinema, críticos literários e musicais, de política externa e de negócios. Elon Musk, sem dúvida, está no primeiro grupo, mas como a pessoa mais rica do mundo, ele é um alvo natural para críticas. Nos últimos meses Musk tem encarado enorme crítica sobre suas decisões de negócios; contudo, nada em sua biografia sugere que Musk seja narcisista, malévolo ou esteja em um surto psicótico.

Quem é Elon Musk?

Musk nasceu em 28 de junho de 1971 em Pretoria, África do Sul. Seu pai, Errol, era um empreendedor, inventor, incorporador imobiliário e dono de metade das minas de esmeraldas de Zâmbia. Sua mãe era canadense, o que o possibilitou a migrar para o Canadá em 1989, e depois mudar-se para os Estados Unidos em 1991 onde ele cursou na Universidade da Pensilvânia e se formou em Física e Economia.

Em 1994, Musk mudou-se para Palo Alto para fazer pós-graduação em Standford, mas rapidamente decidiu juntar-se ao “boom da internet”. Com seu irmão rico e talentoso e um empréstimo de seu pai, ele fundou a Zip2, uma espécie de motor de busca de viagens (para o qual o próprio Musk escreveu os códigos) e mais tarde vendeu para a Compaq por US$ 307 milhões à vista. Em seguida, fundou a X.com, um negócio de serviços financeiros on-line, que se fundiu com a Confinity, um banco online da PayPal e depois se tornou o CEO da empresa. Musk brigou com Peter Thiel sobre os motores de busca e foi desligado pelo board, mas faturou US$ 175,8 milhões quando Thiel vendeu a PayPal para a eBay em 2002.

Em 2002, Musk fundou a SpaceX, um negócio aeroespacial com fins comerciais. Depois de um começo conturbado, um contrato de US$ 1,6 bilhão com a NASA permitiu que decolasse adequadamente. Em 2015, a SpaceX começou a Starlink, uma rede de satélites visando levar serviços de internet para localidades remotas, o quê tem sido um recurso importante para os militares da Ucrânia em sua guerra com a Rússia.

Em 2004, Musk investiu US$ 6,5 milhões na Tesla, uma startup de veículos elétricos e se tornou seu CEP e um arquiteto de produtos em 2008. Este movimento gerou muita crítica daqueles que argumentavam que o mercado de veículos elétricos não tinha futuro e que o mercado automobilístico maior já estava muito saturado. Até o momento em que esse artigo foi escrito, Tesla é a 6ª companhia mais valiosa do mundo, atrás da Amazon (5ª) e à frente da Berkshire Hathaway (7a). Em 2016, Musk fundou a Neuralink, uma companhia que visa explorar as conexões entre a neurociência e a inteligência artificial baseada em computador. Em 2017, Musk fundou a Boring Company, um negócio de alta tecnologia de perfuração de túneis. Também em 2017, Musk expressou seu interesse em comprar o Twitter, sua plataforma de mensagens online favorita, muito considerada como um negócio valioso mas mal administrado. Em 2022, Musk completou a compra do Twitter em meio a muito alarde confusão e falatório no mundo das notícias sobre negócios.

Embora seja cedo demais para dizer quão bem o Twitter vai se desempenhar sob a liderança de Musk, o que vemos é uma sucessão de grandes sucessos em desenvolvimento de negócios de larga escala. Isso levanta a pergunta óbvia: que tipo de pessoa é Elon Musk, a pessoa mais rica do mundo? Mais especificamente, quais são as chaves psicológicas para seu sucesso?

Que tipo de pessoa é Elon Musk?

Nós pensamos que há três chaves e elas estão sob os títulos de poder, estrutura e estilo. Poder tem a ver com a capacidade cognitiva; estrutura tem a ver com a orientação cognitiva e estilo tem a ver com o impacto interpessoal. Em relação a poder, Musk é muito inteligente e tem formação em Física e Economia, ele conhece mais sobre números, tecnologia e finanças do que a maioria das pessoas. Além disso, seus associados nos negócios dizem que ele é uma pessoa extremamente perceptiva sobre a previsão de tendências dos negócios e para detectar as falhas e vieses do raciocínio das outras pessoas. Assim, Elon é muito esperto e tem a capacidade de tomar boas decisões – o que nem todas as pessoas inteligentes conseguem. Musk não é excelente em planejamento; ele parte para a ação e avalia suas decisões.  OU, como ele “twittou” em 9/11/22:

Tradução: “Por favor, anotem que o Twitter vai fazer muitas coisas burras nos próximos meses. Nós vamos manter o que funciona e mudar o que não funciona.”

Em termos de estrutura, Musk tem a mesma orientação que a maioria dos empreendedores – sobre quem Hogan tem muitos dados. Empreendedores, em relação à pessoa mediana, são analíticos, solucionadores de problemas baseados em dados, cheios de energia e trabalhadores árduos (semanas de trabalho de 100 horas são normais), destemidos para tomar riscos, competitivos e focados em causar um impacto e fazer a diferença. Trabalhadores, destemidos e orientados para realizações – ingredientes chave para o sucesso independente da habilidade cognitiva.

Musk se descreve como tendo a Síndrome de Aspergen que foi consolidada sob o espectro de transtorno autista (ASD) que pode afetar seu estio interpessoal. De acordo com nossa experiência, ASD é comum entre engenheiros, matemáticos, jogadores de xadrez e empreendedores.

As pessoas que conhecem Musk descrevem-no como “a vida da festa” e como testemunho adicional de sua vivacidade, ele já foi anfitrião do famoso show de comédia americano “Saturday Night Live”. Fora do trabalho frequentemente ela parece irreverente, espirituoso e ardiloso.

Quanto ao estilo e eficácia de liderança de Musk, se levanta uma questão muito interessante. Liderança se refere a formar equipes de alta performance e bons líderes são pessoas que outros querem seguir. Empreendedores como grupo são maus líderes -– como a maioria dos gerentes de finanças e engenharia, eles estão interessados em resultados e não nos sentimentos das pessoas. Musk se descreve como um exigente “nano-gerenciador”(mais do que a conhecida expressão de microgerenciador), impaciente e rápido para encontrar falhas. Ele é orientado para a ação e não se preocupa muito com as sensibilidades das pessoas.

Musk é o primeiro líder que aos olhos do público tem uma reputação de ser difícil. Em outro lugar (palestra de Dr. Hogan) falamos sobre o Paradoxo da Apple: como pode alguém tão ambíguo e desagradável como Steve Jobs construir um negócio tão bem-sucedido como a Apple? Nossa resposta tem dois ângulos. Por um lado, a capacidade mais crítica para um CEO é tomar boas decisões sobre os produtos e os mercados, e não se preocupar com os sentimentos das pessoas. Por outro lado, bons gestores abaixo do nível do CEO frequentemente protegem a pessoa dos maus comportamentos de CEOs abusivos. Nós sabemos que Musk é um empreendedor extremamente bem-sucedido e um líder medíocre – mas um líder medíocre comparado com quem? Zuckberg, Bezos, Gates, Welch? Rockfeller?

Finalmente então, existe o Twitter e como as recentes ações de Musk para reestruturar uma companhia com baixa performance e mal gerenciada a afetaram. Embora seu CEO anterior (o co-fundador Jack Doresey) tenha admitido que o quadro de pessoal estava inchado, parece claro que foi um erro demitir metade dos empregados sem primeiro avaliar sua função e desempenho. Este tipo de “downsizing” apressado cria uma preocupação e confusão desnecessárias entre os empregados, o quê é improvável que contribua para alta performance. Por outro lado, Musk e seus engenheiros começaram uma revisão detalhada e granular de cada aspecto do negócio do Twitter e esse esforço é o primeiro passo essencial para a melhoria dos processos e produtos. O próprio Musk disse a seu novo pessoal “Revoluções não são feitas com cautela. Então nós queremos testar coisas, idealmente coisas que não quebrem o sistema, mas… na medida em que formos ágeis e reagirmos rapidamente para melhorar as cosias e corrigir os erros, eu penso que vai ficar bem”.

Em resposta ao “takeover” de Musk e as demissões em massa, muitos indivíduos fingindo-se de Musk no Twitter se engajaram para gozar do novo proprietário. Vale a pena salientar que, se o alvo das gozações não fosse o CEO do Twitter e a pessoa mais rica do mundo, algumas delas seriam declaradas como “cyberbullying”. Não obstante, a maioria das críticas parece ser inspirada pelos críticos das visões políticas de Musk. Porém como a maioria dos empreendedores, especialmente os bem-sucedidos, Musk não está se abalando. Em vez disso, ele está atirando de volta com seus próprios tweets sarcásticos e mudando as regras relativas a contas falsas. É difícil dizer como a aquisição do Twitter vai funcionar para Musk, mas se seus empreendimentos passados são alguma indicação, é duro apostar contra ele.

Esta postagem no blog foi de autoria de Robert Hogan, PhD e Ryne Sherman, PhD da Hogan Assessment Systems.

Fale Conosco

Endereço: Alameda Rio Negro, 911 sala 707 Barueri – SP – CEP: 06454-000
Telefone: (11) 3022-2583

Copyright 2021 Ateliê RH